Blog

Gestão de produtos – Avalie seu produto

Gestão de produtos – Avalie seu produto

Vamos começar este artigo com uma indagação:  Você é gerente de produto? Um fundador de startup? CEO?

Seja qual for o seu cargo, vamos assumir que você esteja tomando as decisões sobre o seu produto.

Quais recursos desenvolver? Quando desenvolvê-los, como conseguir usuários para começar a usar – esse tipo de coisa.

Como pessoal de produtos, todos possuem grandes esperanças e sonhos para que os produtos sejam o próximo Uber, Slack ou Facebook.

Mas antes de começar a criar um roteiro do produto que poderá levá-lo à grandeza, é hora de analisar e ver o que está acontecendo no momento em seu produto.

O que as pessoas estão realmente fazendo com o seu produto?

Os seus clientes estão utilizando todos os recursos do seu produto? Claro que não.

Ao planejar seu roteiro e onde sua equipe gasta seu tempo, é válido se questionar “quantas pessoas estão realmente usando cada um dos recursos de nossos produtos?”.

O que você faz com a auditoria de recursos? Para qualquer recurso com adoção limitada, você tem quatro opções:

  1. Mate-o: admita a derrota e comece a removê-lo do seu produto.
  2. Aumente a taxa de adoção: faça com que mais pessoas a usem.
  3. Aumente a frequência: leve as pessoas a usá-lo com mais frequência.
  4. Melhore propositalmente: torne-o quantificável, melhor para aqueles que o use.

Melhorando os recursos existentes

 

Você pode melhorar um recurso existente de três maneiras diferentes:

  1. Você pode melhorar deliberadamente
  2. Você pode alterá-lo para que os clientes o usem com mais frequência (frequência de melhoria).
  3. Ou você pode alterá-lo para que mais pessoas possam usá-lo (adoção de melhoria).

 

  1. MELHORIAS DELIBERADAS

É quando você sabe porque os clientes usam um recurso existente e o que eles apreciam sobre isso.

Uma melhoria deliberada busca apenas torná-la melhor em maneiras que serão apreciadas pelos usuários atuais.

Por exemplo, tornando-o mais rápido ou mais fácil de usar, ou melhorando o design.

Faça o uso de melhorias deliberadas quando houver um recurso que todos os seus clientes utilizem e gostem, e você vê a oportunidade de agregar um valor significativo a ele.

Vale a pena notar que, deliberadamente, melhorar um recurso bem adotado com frequência  usado é alto risco, alta recompensa.

Como exemplo, pense em melhorar o editor em uma plataforma de blogs.

Faça o que é certo, e todos os usuários recebem o benefício a cada vez que eles usam.

  1. MELHORIAS DE FREQUÊNCIA

São melhorias que esperam que um cliente use o recurso com mais frequência.

Adicionando mais itens a um feed de atividades ou mais opções a uma ferramenta de pesquisa significa que as pessoas leem com mais frequência ou o usam para mais tarefas a cada dia.

Esse tipo de upgrade pode transformar um recurso de uma vez por semana em um recurso diário.

As recomendações do LinkedIn, por exemplo, fazem isso muito bem.

Eles acrescentaram essas recomendações multidirecionais com um clique, nas quais você pode facilmente localiza quatro de seus amigos por habilidades que eles não possuem e se conectam acidentalmente a quatro mais pessoas como resultado, o que, por sua vez, cria mais recomendações, mais logins, e mais transmissões com um único clique. Um círculo vicioso.

O que eles seguem é um padrão que diz que os hábitos são formados a partir de um padrão repetido com quatro elementos-chave :

  • Disparador: o motivo pelo qual o usuário acessa o produto (por exemplo, você recebeu um e-mail dizendo que um contato o endossou por uma habilidade).
  • Ação: eles antecipam a recompensa (por exemplo, rolagem, pesquisa, navegação etc.).
  • Recompensa: o usuário obtém sua ação 
  • Investimento: o usuário faz o que plantará a semente para mais gatilhos (por exemplo,inscrever-se, marcar, curtir, conectar-se etc.)

Use melhorias de frequência quando houver um recurso que a maioria dos seus clientes usam com pouca frequência e você acredita que usá-lo mais seria  benéfico para eles.

Por exemplo, se o basecamp melhorar a frequência com que os usuários criam projetos, naturalmente lucram, pois é assim que seus preços funcionam.

Mas existem muitas maneiras fáceis de gamificar o uso de recursos que não possuem rede de benefício ou, em alguns casos, danificar a oferta principal do produto.

Por exemplo, as métricas do LinkedIn para recomendações podem parecer muito melhores como resultado, mas vale a pena perguntar se eles pagaram o preço em credibilidade?

    3. MELHORIAS DE ADOÇÃO

Ao planejar melhorias de adoção sempre considere melhorias externas do software também.

As melhorias de adoção são direcionadas para aqueles que não usam um recurso.

Para conseguir mais pessoas usá-lo, agrupe e solucione os problemas que os impedem de usá-lo. 

Este é onde a técnica dos cinco porquês é realmente útil.

Você pode ter uma situação em torno de usuários que não usam o recurso de relatórios.

Por quê? Eles não vêem o valor.

Por quê? Eles não podem mostrar para o chefe.

Por quê? Eles não conseguem obter um bem adequado formato.

Por quê? Como nossas ferramentas de exportação não são boas o suficiente?

Por quê? Porque nosso API não produz bons dados.

Se você perguntar porque tempo suficiente, eventualmente resolva o problema e chegue à causa raiz.

Não basta falar com um cliente porque, invariavelmente, as coisas são mais complicadas do que isso.

Você encontrará esses padrões de bloqueio constantemente.

Você pode então resolver os principais problemas, as coisas fundamentais que estão realmente bloqueando as pessoas de usar todo o seu produto.

Utilize as melhorias de adoção quando houver um recurso importante que uma boa parte dos usuários ainda precisa adotar, e você vê algumas integrações óbvias ou mudanças que facilitarão a sua entrada.

Ao planejar melhorias de adoção sempre considere melhorias externas do software também.

 Às vezes, não se trata de como o recurso é projetado ou construído, é sobre como é esclarecido.

Muitas vezes, os usuários precisam apenas saber porque ou como use um recurso de relatório. 

Nesses casos, melhor marketing de produto e atendimento ao cliente e comunicação é como você a resolve, não ajustes no produto.

Melhorias contínuas

 

Em seus estágios iniciais, as startups têm vantagens sobre os operadores históricos.

Eles se movem mais rápido e se adaptam mais depressa, sem muita dívida técnica, recursos herdados, problemas de compatibilidade ou clientes de alto valor restringindo seus passos.

O desafio do gerente de produto é duplo; primeiro, encontrar melhorias que beneficiará o negócio e seus clientes e, em segundo lugar, garantir que essas melhorias não se percam em um quadro branco em algum lugar.

Porque se existe uma coisa verdadeira para produtos da web de inicialização, é isso: se você não está enviando, está fora do jogo.

Vamos conversar sobre o que podemos fazer pela sua empresa? Entre em CONTATO com a gente!
WhatsApp chat